Feminismo e a vitimização


Antes de começar o post em si, gostaria de explicar em poucas palavras do porque falar sobre o feminismo hoje. Parece que feminismo virou modinha, a pessoa bate no peito dizendo ser feminista, mas não entende porcaria nenhuma do assunto, não sabe pelo que está brigando e se acha a dona da razão. Se você for contra a opinião dessas pessoas você é chamada de machista.

Hoje isso me irritou um pouco no twitter. Tudo por causa da youtuber ou jornalista, classifiquem como quiser, que acusou o ator americano Vin Diesel de assédio em uma entrevista, pois o mesmo fez questão de enfatizar o quão bonita era aquela pessoa que estava o entrevistando.

Para as feministas atuais isso é assédio! Porque ele desviou o foco da entrevista elogiando a jornalista, a mesma, educadamente, solicitou para que voltassem para o tema da entrevista, mas Vin Diesel mesmo assim enfatizou novamente a beleza da jornalista.

Vamos para as definições:

Assédio

Operação militar, ou mesmo conjunto de sinais ao redor ou em frente a um local determinado, estabelecendo um cerco com a finalidade de exercer o domínio;

Fig. insistência impertinente, perseguição, sugestão ou pretensão constantes em relação a alguém.

Elogio

Julgamento favorável que se exprime em favor de alguém; louvor;

Discurso em louvor de alguém.

Reparem na parte em negrito destacada de vermelho. Estão utilizando desse ponto da insistência, porque o cara falou mais de uma vez que a jornalista era bonita, para dizer que o mesmo a assediou. Enfim, vida que segue…

Vamos falar sobre o feminismo, que é o objetivo principal do post. Para facilitar, vamos dividir em duas partes:

Feminismo ortodoxo, que é o feminismo que busca a igualdade entre homens e mulheres.
Feminismo pragmático (também apelidado de feminismo new wave, não sabia disso, o google que me contou) que é aquele que faz uma interpretação subjetiva do feminismo ortodoxo para colocá-lo em prática.

Não há o que criticar o feminismo ortodoxo, pois sou totalmente a favor da busca da igualdade entre homens e mulheres e ponto. Mas aí vem o bendito feminismo pragmático, que perde o rumo em meio a reivindicações e controversas, e como todos sabemos, todo movimento sem rumo levam as pessoas ao fanatismo, confusão, histeria, etc.

Meu post em si vem para falar sobre esse fanatismo sobre o feminismo (pragmático), esse calo no sapato do ser humano. É uma mulher falando sobre feminismo, não me venham com mimimi sobre machismo nos comentários, falar sobre regras e teorias frustradas, esse tipo de pessoa tem que se informar melhor antes de sair vomitando meia dúzia de asneiras por aí.

Não é porque você defende uma causa justa que ela está imune a críticas, e acho que toda crítica é construtiva se interpretada da forma correta, por pessoas com certo nível de conhecimento.

O feminismo já está chegando no nível do deboche, como disse Luiz Felipe Pondé, para quem não o conhece, Filósofo conservador.


“Daqui a uns séculos vão ver nossa época como a época da histeria feminina sem limites”. 

(Luiz Felipe Pondé)


Amiguinhos, essa época já chegou! Seja bem-vindo a realidade, pode entrar, só não repara a bagunça (porque ta uma zona do cacete).

Feminismo é a busca pela igualdade entre os gêneros, ponto. Somente as **Feminazis confundem essas duas linhas de pensamento.

**Feminazi é um termo usado pejorativamente para descrever feministas que são percebidas como extremas ou radicais, essas mulheres em questão, aparentam lutar pela superioridade sobre os homens em vez de igualdade.

Poucas coisas são tão ridículas quanto escrever palavras com aqueles “x” no final para denotar gênero “neutro” ou para não colocar o plural no masculino. Fora o uso de substantivos comum de dois gêneros com um “a” no final, como na palavra “presidenta”. Chegamos a um ponto da evolução errada da linguagem, vai reparando como as coisas ficam complicadas.

Outro ponto importante: Você acha que toda mulher é santa? Acho bom rever seus conceitos. A mulherada hoje em dia não tá fácil não.

Uma coisa muito, mas muito importante: CRITICAR O FEMINISMO NÃO É UMA FORMA DE MACHISMO. Parem de ser extremistas!!!

Enfim, falar sobre o feminismo é algo complicado. Ou você agrada muitos ou é apedrejada.

Eu fui apedrejada por dizer que o Vin Diesel não assediou a jornalista, há quem pense o contrário. E daí?! Agora, não fiquem tentando me convencer por A + B que só a sua opinião é verdadeira. Estude os fatos, pesquise, entenda… Antes de sair por aí vomitando meia dúzia de asneiras em redes sociais atrás de likes.

Vin Diesel, querido, não precisava se retratar! Mas isso mostra o seu caráter e respeito para com as pessoas. Ao contrário de outros, você não precisa de 15 minutos de fama e de likes em redes sociais.


“O problema do feminismo é que ele parte do pressuposto de que as mulheres são frágeis, passivas, vítimas e precisam de um movimento para protegê-las. Eu não preciso de seguir ideologias como se fosse uma ovelha adestrada, porque eu crio as minhas próprias regras. Igualdade se conquista com atitude, e não com chororô. Sou mulher, sou forte, sou ativa e lutarei pelos meus direitos até o fim. Nenhum homem e nenhuma mulher devem me dizer o que fazer.” (autora desconhecida)


Anúncios

2 comentários em “Feminismo e a vitimização

Adicione o seu

  1. Oi Nathy!
    Gostaria de fazer alguns comentários acerca do seu texto. Quero enfatizar que não parto do pressuposto de que você não conhece o assunto (feminismo). Só acho que continuar conversando sobre o assunto pode ser interessante para nós duas, pois a divergência entre opiniões geralmente é construtiva para ambos os lados quando resulta em uma discussão pautada por empatia e respeito.

    Antes de começar quero que saiba que te sigo no twitter já há algum tempo e sei que temos muitas opiniões em comum, que vão além da preferência por determinados tipos de série. Hehehe. Então não me leve a mal, não tenho a pretensão de mudar sua opinião e não acho minha opinião superior à sua ou a de ninguém, pelo contrário, comecei a me interessar pelo feminismo recentemente e estou longe de ser expert no assunto, inclusive já peço perdão por futuros possíveis erros!

    Você divide seu texto em duas partes, onde na primeira (que se não me engano vai até o quarto parágrafo) fala sobre o caso Vin Diesel e na segunda se concentra no objetivo principal do texto que é o feminismo. Não vou falar sobre a primeira parte do texto, pois além de já estar cansada do assunto, você já possui uma opinião formada sobre. Falarei mais sobre o foco do texto (feminismo).

    No sexto paragrafo você dividiu o feminismo em ortodoxo e pragmático, aparentemente o feminismo ortodoxo é o que diz respeito à primeira e segunda onda do movimento que se encerra em meados dos anos 90 dando início à terceira onda comumente chamada de new wave e denominada por feminismo pragmático em sua citação. Interpretei dessa forma a partir das definições que você escreveu, por favor, me corrija se eu estiver erada. Ou seja, seu texto é aparentemente uma crítica ao feminismo das últimas décadas.

    Não ficou claro para mim se você critica todas vertentes feministas (que são comumente divididas em quatro) ou só às radfem (feministas radicais). No nono parágrafo concordo com você, nenhuma causa é imune à críticas e toda crítica é construtiva. Por isso estou escrevendo esse texto, pois sei que você entende isso.

    No parágrafo doze você cita o termo gênero, apesar de não definir o que você entende por gênero (se abrange não binários, etc) como fez ao longo do texto para com outras definições (feminazi, por exemplo). No parágrafo treze e quatorze aparentemente você associa as feministas (ou radfem?) ao emprego do “x” em palavras para denotar gênero neutro, mas na verdade isso é uma pauta mais associada ao movimento trans. Feministas costumam escrever também dessa maneira, pois na maioria das vezes é através do feminismo que temos contato com as reivindicações trans e consequentemente passamos a incorporar esse tipo de linguagem neutra.

    No parágrafo dezesseis concordo com você novamente, criticar o feminismo não é necessariamente uma forma de machismo, acho que toda crítica é válida, apenas críticas nos levam a crescer e amadurecer ideias. A citação da autora desconhecida é a última parte do texto sobre a qual vou falar, o feminismo não parte do pressuposto de que TODAS mulheres são frágeis, passivas e vítimas e nós não precisamos de um movimento para nos defender, nós SOMOS o movimento.

    Acho que é isso, não quero te apedrejar por causa de uma opinião, não quero te ofender e nem fazer sua cabeça. Me considero feminista, apesar de não ativista, e peço que não leve para o lado pessoal os comentários que você aparentemente recebeu de outras feministas. Uma vez assisti um vídeo que explicava a partir de uma metáfora o porquê de minorias responderem a opiniões adversas com tanta agressividade. A pessoa do vídeo em questão comparou essa resposta agressiva à reação de um cão machucado, que devido à ferida vai reagir com violência a qualquer tentativa de aproximação de pessoas, mesmo quando a intenção destas é ajudar. Não quero justificar ninguém, só peço que releve um pouco.

    Desculpa o textão!
    Abraços! ❤

    Curtido por 1 pessoa

    1. Adorei seu comentário! Eu sou totalmente a favor do movimento feminista, quero deixar isso bem claro! E isso em relação a diversos pontos, não somente sobre o fato da igualdade homens e mulheres. O foco do post, que na verdade nem sei porque o fiz (odeio escrever), é para falar sobre o radicalismo e fanatismo. Hoje em dia, pensando radicalmente, você pode deturpar tudo. O que me deixa irritada não são a discussões, adoro discutir assuntos, expor meu ponto de vista e tentar entender o ponto de vista de outras pessoas. Tive duas conversas sobre isso no Twitter e uma foi extremamente positiva, mesmo ambos tendo opiniões contrárias. Eu só acho, veja bem, acho, que antes de você debater e defender determinado assunto precisa entender um pouco sobre ele e tentar perceber se aquilo que você tá falando realmente tem coerência. Impor sua opinião (não a sua, estou generalizando) não vai te fazer a pessoa mais esperta do mundo. O Saber discutir pontos de vistas diferentes é muito legal. O que seria do mundo ae todos pensassem da mesma forma? Uma porcaria!
      Sobre o meu post, não tenho muito o que explicar, foi algo que saiu! Eu não sai pesquisando sobre o assunto para postar, só falei o que vejo hoje em dia. Confesso que pesquisei sim sobre o new wave, não sabia que tinha esse nome.
      Mas agradeço seu comentário, não considero como uma crítica, e se fosse ela seria construtiva.
      Abraços 😘

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: